A+ A A-

Prece do liberal de esquerda

Imagem Divulgação Imagem Divulgação

Entidade superior que rege o Universo, que me recuso a nomear, se é que você existe, ajude-me:

A respeitar a opinião do outro, ainda que ele não respeite a minha. A defender meu ponto de vista de forma articulada, mas não ofensiva. A não enveredar pelos caminhos do nacionalismo exacerbado, da esquerda que tudo quer estatizar, ou da direita, que pensa ser mais livre do realmente é. Ainda que haja violência, queimem pessoas e atirem por quase nada, a não sucumbir aos desejos do instinto da justiça privada. Ajude-me a concretizar os programas da constituição e das cartas de direitos humanos, sem me esquecer de que pelo mundo existem coisas muito piores. Não ceda ao apelo pela redução da maioridade penal, pela instituição da pena de caráter perpétuo, da violência pela violência. Faça-me aceitar, mas não me conformar, que apesar do que leio, vejo e penso, ainda sou produto dessa sociedade, parte de uma engrenagem assim como todos os demais. Que o sucesso financeiro, não me cegue, não me faça crer que todos podem ou devem seguir meu exemplo. Jamais esqueça que muitos em  sua família, já passaram fome, criaram inúmeros filhos sozinhos, andaram quilômetros a pé para vender peixe, carne, roupa, tapioca, cuscuz, café, caju, ou até mesmo para estudar,  viajaram de cidade em cidade, sofreram preconceito, assédio, violência doméstica, bullying e que graças a elas você pode ser o pouco que é.

Avalie este item
(4 votos)
Patrícia Souza Ribeiro

Nascida em São Paulo em 1983. Leu seu primeiro livro aos 5 anos de idade, “A Bela Borboleta”, do Ziraldo, e não parou mais. Em razão do destino, quase virou engenheira. Desistiu, pensou em ser médica e como não sabia exatamente o que queria, foi estudar Direito no Largo do São Francisco. Saiu mais perdida do que entrou. Então seguiu a vida de trabalhadora concurseira entediada. Como jogador de futebol, descansa fazendo o que sabe: ler e escrever. Nessa ordem. Mestranda em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da USP, funcionária pública, escritora amadora, curiosa e pesquisadora por natureza e necessidade.

voltar ao topo