A+ A A-

Mundo Cão (direção: Marcos Jorge)

Imagem Divulgação Imagem Divulgação

Uma grata surpresa! Confesso que fui ver “Mundo Cão” sem grandes expectativas, não sei exatamente porque, num sei se o trailer não me chamou atenção, não sei se foi a própria divulgação, ou mesmo a presença de Lazaro, que embora seja um monstro, foi usado demais nos últimos anos, novelas, filmes, series e afins. Dito isso, começo destacando, justamente, a atuação de Lazaro, que é absurda de boa, absolutamente impressionante, você acredita no personagem do começo ao fim. Não vou falar nada de Adriana Esteves a não ser que ela é SOBERBA. Babu Santana está incrível, assim como o foi em Tim Maia. E as crianças, Thainá Duarte (Isaura) e Vini Carvalho (João) dão um show, assim como todo o elenco. A mescla entre comédia e drama é incrível, um tempera o outro o tempo todo. Embarcamos na experiência, e no ambiente, proposta por Marcos Jorge (diretor) logo no começo do filme, e não saímos até a última letra dos créditos (srsrs).

A fotografia é precisa em nos mostrar o universo dos personagens, assim como o próprio clima do filme. Devo destacar, nesse quesito, a cena no estádio, referência clara ao excelente “O segredo dos seus olhos” (filme argentino de 2009 dirigido por Juan José Campanella), um plano sequência que, no caso do Mundo Cão, sai do estádio de futebol e alça voo num lindo plano aéreo. Outra cois que me vez lembrar da película Argentina foi a solução encontrada por Santana (interpretado por Babu) para seu problema com o vilão Nenê (Interpretado por Lazaro), nesse caso, temperado com um tanto de comédia, inexistente no Argentino (rs).

Outra referência clara que é feita no filme é ao americano Quentim Tarantino, pra mim a parte mais interessante do filme, achei muito bom. A forma como ele usa a música, da boa, diga-se de passagem, a forma como trabalha com o trágico, a forma como as cenas de violência aparecem, tudo é muito Tarantino! Sem contar o final do filme, que é um desbunde, tanto no aspecto da surpresa, quanto na escolha daquele final para os personagens. E as transições de cena? Também tarantinescas! Tinha tudo pra dar errado, mas deu super certo, elas começam tímidas e no decorrer do filme elas vão se tornando cada vez mais presentes.

Um roteiro milimetricamente amarrado. Coisas aparentemente estranhas à história vão aparecendo, discretamente ou não, e do meio do filme pra frente começamos a ligar os pontos. Está tudo lá por algum motivo.

Ah! Não posso esquecer da arte dos créditos, parecidas demais com os créditos de Django Livre, por exemplo (srsrsr).

Um filme brasileiríssimo, ambientado em uma comunidade, que mistura o trágico e o cômico, sem o prejuízo de nenhuma das partes, com elementos da cinematografia de Tarantino e com referências a um dos filmes mais cultuados do cinema Argentino. Isso é Mundo Cão!

Disponível no Netflix.

Avalie este item
(0 votos)
Wellington Darwin

Historiador e cineasta, é sócio na Dgt Filmes onde íntegra diversos projetos como produtor e roteirista.  Um dos mais recentes filmes produzidos por Wellington, CONVICTO, participa do Festival In-Edit Brasil.

voltar ao topo