A+ A A-

A Bem-Amada

  • 0

Sobre a aparência e o comportamento de Safira era possível afirmar inúmeras coisas. Constantemente vigiada por olhares ferinos, julgada por pensamentos cruéis e (mal) falada por línguas bipartidas; ela escolhera viver de forma alheia. Havia atingido um nível de desprendimento tão elevado que simplesmente não se importava com a opinião dos outros. Vivia em constante estado de nirvana, levitando absoluta e iluminada sobre as cabeças da inveja alheia. É certo que desde pequena as teses de outrem não lhe causavam a menor preocupação. Ocupava-se dela própria, de suas alegrias e tristezas, vitórias e derrotas. Fizera um pacto consigo: jurara sempre se gostar, respeitar e defender. Pois afinal, o eu vem antes de todos.

Leia mais ...

Convite para um Duelo

  • 0

As gotas de chuva escorriam docilmente pelo vidro da janela. Entre lençóis, Malena abriu os olhos e por instantes permaneceu vagamente aflita, até se lembrar que era domingo. Um dia corriqueiro; um dia qualquer - gris e sem significado. Afinal, quando se trabalha, que sentido tem passar um dia inteiro de pernas para o ar?

Leia mais ...

Andança Reversa

  • 0

Hoje eu acordei do avesso. O mundo está desmoronando. Vejo diante dos meus olhos a vida cair aos pedaços, em avançado estado de decomposição. 

Leia mais ...

O Corredor

  • 0

Sentiu o peito arder quando seus olhos se encontraram pela primeira vez. De súbito, levou a mão ao coração na tentativa de apartar o fogo que lhe invadia as entranhas. Tentou esboçar alguma reação, primeiro com os lábios, depois com os olhos. Mas permaneceu imóvel.

Leia mais ...

Do Outro Lado do Rio

  • 0

O dia se acabava naquele lugar ao sul do mundo. No céu, o dourado das luzes espraiadas se fundia ao horizonte de veludo carmim. Uma fragata flutuava suavemente pelas águas do porto. O mundo era calmo quando visto dali; aquela margem parecia ter seu próprio significado de tempo. Do outro lado do rio o sol ia se rendendo devagar ao horizonte.

Leia mais ...

Sangue Quente – Final

  • 0

Mais tarde, em seu refúgio, a pantera recostou a cabeça sobre o travesseiro. Imagens várias passaram por seus olhos dourados. Lembranças de veludo escarlate, paredes de metal, sussurros e prazer agonizante. Pousou a mão nos lábios e abriu um sorriso secreto. Olhou através da janela a tempestade que caía e logo adormeceu sob as luzes espraiadas que rasgavam o céu.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS